Métodos contraceptivos: desempenho esportivo e composição corporal

Métodos contraceptivos: desempenho esportivo e composição corporal


É muito frequente ver mulheres se queixando dos mais variados efeitos colaterais com o uso dos métodos contraceptivos. Os contraceptivos orais (pílulas anticoncepcionais) combinados, que são assim chamados por terem em sua composição um estrogênio e um progestógeno, são os mais utilizados e os principais alvos de reclamação por parte das usuárias. Muitas referem ganho de peso, retenção hídrica, queda de desempenho esportivo, entre outros.

Contraceptivos e queda do desempenho esportivo

métodos contraceptivos e desempenho esportivoSabemos, através de estudos científicos, que de fato os métodos contraceptivos anovulatórios, aqueles que impedem a ovulação, resultam em uma diminuição dos níveis de testosterona das usuárias, mas isso não necessariamente causa uma queda do desempenho.

Mesmo quando são avaliadas, praticantes de atividades que exigem maior massa muscular ou força, os estudos são inconclusivos. Em alguns casos pode até ajudar, mulheres que apresentam quadro de síndrome pré-menstrual, a TPM, muito intensa acabam tendo menos oscilação de humor com o uso de métodos anovulatórios, o que pode melhorar o rendimento nos treinos e o desempenho geral.

Atletas que praticam atividades predominantemente aeróbicas podem se beneficiar de um método que as mantenha sem menstruar, levando a um aumento da taxa de hemoglobina no sangue e consequentemente melhora do rendimento.

Mulheres que apresentam quadro de cólicas e alterações de humor no período menstrual podem se beneficiar de métodos que permitam bloquear ou programar a menstruação conforme a periodização de treino ou calendário de competições.

Contraceptivos e ganho de peso

métodos contraceptivos e desempenho esportivoO ganho de peso costuma ser uma preocupação muito frequente em quem vai iniciar o uso de algum método contraceptivo. Esportes em que o peso corporal é relevante como, em algumas modalidades de luta, onde a atleta passa por pesagem antes da competição, ou como na ginástica artística, onde uma pequena variação de peso pode atrapalhar no resultado. Diversos estudos buscaram avaliar mulheres antes e depois de iniciar o uso de contraceptivos, através de medida de peso e composição corporal, mas as diferenças se mostraram insignificantes.

Muitas vezes as mudanças relatadas pelas usuárias podem estar relacionadas a outros fatores comportamentais, como a prática esportiva e hábitos alimentares. Isso somado ao fato de existirem inúmeras combinações possíveis de substâncias, doses e vias de administração torna difícil a realização de estudos para determinar seus efeitos no ganho de peso.

Nesses casos deve-se levar em consideração as experiências prévias que a usuária teve com o uso de algum método, além de orientação médica.

DIU hormonal

O DIU hormonal é um dispositivo inserido no útero e que libera em seu interior uma progesterona sintética (progestógeno) chamada levonorgestrel. Esta age gerando uma atrofia no tecido que reveste o útero internamente, o endométrio, o que leva a uma importante diminuição do fluxo menstrual ou até parada completa da menstruação em algumas mulheres. Estudos mostram que o hormônio liberado não causa diminuição dos níveis de testosterona, mas são inconclusivos quanto ao ganho de peso ou alterações de composição corporal.

DIU de cobre e DIU de prata

métodos contraceptivos e desempenho esportivoO DIU de cobre não apresenta hormônios em sua composição, portanto não expõe a mulher aos possíveis efeitos colaterais relacionados a eles. O que deve ser levado em consideração é o fato de que o DIU de cobre com frequência causa aumento do fluxo menstrual e das cólicas, o que pode atrapalhar tanto a prática esportiva recreacional quanto a competitiva.

O DIU de prata, que na verdade apresenta cobre com um pouco de prata em sua composição, é defendido por muitos que afirmam que este causaria menos alterações menstruais do que o cobre, mas não existem estudos até então que comprovem estas afirmações.

Muitos fatores devem ser levados em consideração na escolha do método, desde questões ginecológicas até a modalidade praticada. Atletas de alto rendimento são frequentemente testadas para procura de substâncias ilícitas (antidoping), o que também deve ser levado em conta na hora da escolha do método a ser utilizado.

Não existe um método perfeito ou ideal, mas aquele que se encaixa melhor em cada situação, levando em conta diversos aspectos da vida da mulher.

Referências:

Crewther, B. T., Hamilton, D., Kilduff, L. P., Drawer, S., & Cook, C. J. (2018). The effect of oral contraceptive use on salivary testosterone concentrations and athlete performance during international field hockey matches. Journal of Science and Medicine in Sport, 21(5), 453–456.

Elliott, K. J., Cable, N. T., & Reilly, T. (2005). Does oral contraceptive use affect maximum force production in women? British Journal of Sports Medicine, 39(1), 15–19.

Burrows, M., & Peters, C. E. (2007). The influence of oral contraceptives on athletic performance in female athletes. Sports Medicine, 37(7), 557–574.

Redman, L. M., & Weatherby, R. P. (2004). Measuring Performance during the Menstrual Cycle: A Model Using Oral Contraceptives. Medicine and Science in Sports and Exercise, 36(1), 130–136.

Civelek, M., Lusis, A. J. (2017). Changes in Body Composition in Women using Long-acting Reversible Contraception. Contraception, 95(4): 382–389.

Wikström-Frisén, L., Boraxbekk, C. J., & Henriksson-Larsén, K. (2015). Effects on power, strength and lean body mass of menstrual/oral contraceptive cycle based resistance training. The Journal of Sports Medicine and Physical Fitness, 56(1), 1–10.

Crewther, B. T., Hamilton, D., Casto, K., Kilduff, L. P., & Cook, C. J. (2015). Effects of oral contraceptive use on the salivary testosterone and cortisol responses to training sessions and competitions in elite women athletes. Physiology and Behavior, 147, 84–90.

Crewther, B. T., Hamilton, D., Kilduff, L. P., Drawer, S., & Cook, C. J. (2018). The effect of oral contraceptive use on salivary testosterone concentrations and athlete performance during international field hockey matches. Journal of Science and Medicine in Sport, 21(5), 453–456.

Dal’Ava, N., Bahamondes, L., Bahamondes, M. V., De Oliveira Santos, A., & Monteiro, I. (2012). Body weight and composition in users of levonorgestrel-releasing intrauterine system. Contraception, 86(4), 350–353.

Mayeda, E. R., Torgal, A. H., & Westhoff, C. L. (2014). Weight and Body Composition Changes During Oral Contraceptive Use in Obese and Normal Weight Women. Journal of Women’s Health, 23(1), 38–43.

Helmerhorst, F. M. (2013). Progestin-only contraceptives : effects on weight. Cochrane Database Syst Rev. ; (8): CD008815. doi:10.1002/14651858.CD008815.pub4.

Dos Santos, P. D. N. S., Modesto, W. O., Dal’Ava, N., Bahamondes, M. V., Pavin, E. J., & Fernandes, A. M. D. S. (2014). Body composition and weight gain in new users of the three-monthly injectable contraceptive, depot-medroxyprogesterone acetate, after 12 months of follow-up. European Journal of Contraception and Reproductive Health Care, 19(6), 432–438.

Ruzić, L., Matković, B. R., & Leko, G. (2003). Antiandrogens in hormonal contraception limit muscle strength gain in strength training: comparison study. Croatian Medical Journal, 44(1), 65–68.

Batár I, Kuukankorpi A, Rauramo I, Siljander M. Two-year clinical experience with Nova-T 380, a novel copper-silver IUD. Adv Contracept. 1999;15(1):37-48.

Quer Saber Mais?

 


Sem Comentários

Poste um Comentário